Publicado

Reitores debatem Plano Nacional de Educação

Autoridades políticas, reitores e representantes do MEC participam do Fórum

Autoridades políticas, reitores e representantes do MEC participam do Fórum

Cerca de cem reitores de instituições públicas e privadas do ensino superior participam, em Aracaju, do Fórum do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (CRUB). O evento foi aberto na noite dessa quinta-feira, 29, e prossegue até esta sexta, 30, no Campus Farolândia da Universidade Tiradentes. O Fórum com a participação de representantes de diversos órgãos vinculados ao MEC e de entidades como a Associação Nacional de Universidades Particulares (Anup), Associação Brasileiras das Universidades Comunitárias (Abruc), Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), entre outras. Também participam dos debates o senador Cyro Miranda (PSDB-GO), presidente da Comissão de Educação do Senado, e do deputado Izalci Lucas (PSDB-DF), membro das comissões de Educação, Ciência e Tecnologia da Câmara Federal.

O objetivo do Fórum do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras é intensificar as discussões sobre os desafios e perspectivas da educação superior no País. “Nós temos o desafio de expandir a educação superior com qualidade, considerando-se a realidade de cada região. Precisamos ampliar a formação de professores, engenheiros, médicos, profissionais de áreas que se revelam urgentes e prioritárias para se atender às demandas da população brasileira”, afirma o reitor da PUC-GO e presidente do CRUB, professor Wolmir Amado.

“Nós temos em torno de sete milhões de pessoas no ensino superior e o Plano Nacional de Educação nos aponta que precisamos chegar a dez milhões. Uma uma expansão nada simples em uma rede como a nossa, ainda mais quando o MEC não abre mão da prerrogativa da qualidade no atendimento ao que a sociedade demanda: cursos superiores em áreas estratégicas, que permitam o desenvolvimento social, econômico, ambiental. O Governo não faz isso sozinho, daí a importância desse diálogo com as instituições de ensino superior, que também assumem o compromisso da qualidade”, afirma o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Luiz Cláudio Costa.

Wolmir Amado, presidente do CRUB, faz abertura oficial

Reitor Wolmir Amado, presidente do CRUB, faz abertura oficial do evento

O presidente da Anup, Altamiro Galindo, ressalta a importância de programas de financiamento para a democratização da educação superior. “Hoje o ensino privado no Brasil representa 75% do alunado e está em expansão. Há alguns anos, não existia nenhum sistema bancário que desse aos cidadãos de padrão de vida inferior, a oportunidade de estudar. Essas pessoas chegavam à faculdade somente quando instituições como a Unit concediam bolsas de estudos. Hoje, elas podem frequentar os bancos universitários com a ajuda do Governo Federal, por meio de financiamento. Este foi um plano que deu certo e abriu boa perspectiva de crescimento para as IES privadas também”, argumenta, Galindo.

O professor José Fernandes Lima, presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), enxerga no ensino a distância um mecanismo de democratização da educação superior. “Muitos brasileiros querem e merecem ter acesso ao ensino superior, mas moram longe dos grandes centros e não têm condições de se deslocar para estudar. O EAD é um mecanismo que, se bem trabalhado e avaliado com cuidado, pode garantir a todos esses cidadãos, o acesso à educação superior de qualidade”, analisa.

Para o deputado federal Izalci Lucas, a abertura de cursos técnicos nas instituições de ensino superior, por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), representa a garantia de mais oportunidades para os jovens brasileiros. “O Brasil não tem tradição na formação técnica, não registra 6% dos alunos nesta modalidade, contra uma Alemanha e um Japão com mais de 50%. Com a abertura do Pronatec a nossa estimativa é oferecer, em 2014, pelo menos oito milhões de vagas em cursos técnicos no País”, diz o parlamentar.

Já o senador Cyro Miranda ressalta que também é preciso resolver os problemas da educação de base para melhorar a qualidade do ensino superior. “Temos que recuperar o ensino fundamental e médio, dando igualdade de condição para que o aluno seja competitivo e não só criando cotas. Isto é um paliativo que não resolve o problema”, argumenta.

Luiz Cláudio Costa, presidente do Inep: "diálogo é importante"

Luiz Cláudio Costa, presidente do Inep: “Diálogo é importante”

O professor Jouberto Uchôa de Mendonça, reitor da Universidade Tiradentes, ressalta a importância dos investimentos em programas stricto sensu para a formação de mestres e doutores e o desenvolvimento do País. “O Brasil hoje tem apenas dois programas de doutorado em Biotecnologia Industrial aprovados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). O mais recente deles é da Unit, instituição particular sergipana que, nos últimos três anos, conseguiu aprovação do MEC para ofertar cinco cursos stricto sensu, dois deles em nível de doutoramento. Esta é uma prova de que estamos no caminho certo”, diz o gestor da Unit.

 

 

 

 

 

 

 

 

Senador Cyro Miranda, presidente da Comissão de Educação no Senado

Senador Cyro Miranda, presidente da Comissão de Educação no Senado

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deputado Izalci elogia Pronatec

Deputado Izalci elogia Pronatec

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Galindo: "Ensino privado representa 75% do alunado"

Galindo: “Ensino privado representa 75% do alunado”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

José Fernandes Lima acredita na expansão do EAD

José Fernandes Lima acredita na expansão do EAD